CNM-MOVES Marie Curie Fellowship

 

Objective

This research project focuses on the transnational comparative analysis of the similarities, differences, and connections between social movements that focus on Consensual Non-Monogamies (CNMs), both in Portugal and in the UK, with an emphasis on polyamory. It will consider how this political theme is taken up in different contexts, and how those contexts impact social movements, how they influence one another (via the geographical circulation of cultural products, activists, ideas and affects), how different macro- and micro-political strategies develop and interconnect with other social movements, and how they become enmeshed with the media representations produced about and by those groups. It focuses on the mediatization of intimate citizenship, as well as the history of activism and the interaction among social movements in Europe, and fills a gap in the extant literature on CNMs and sexual politics, opening up new understandings for Human Rights, citizenship, social and legal justice. The project takes into consideration the gendered, racial, sexual and classed aspects of political engagement and visibility, as well as the fluid definition of what is considered “political”. Funding for this project will allow the Experienced Researcher (ER) to considerably increase his academic and employability profile by advancing his position as a leading expert on CNM-related research in Europe; by improving his publication record in English; by allowing him to expand his areas of expertise into Political Theory, Sociology, Law, as well as reinforcing his expertise on gender and sexualities; by diversifying his methodological portfolio and allowing him to receive media, academic writing and PhD supervision training. MMU, the host institution, would benefit from diversifying its academic backgrounds, increase its international connections with other Higher Education Institutions, as well as its solidifying its role in the field of CNM-related research.
 

Publications

 

Read more...

Entre o cultural e o individual: A ficção científica e a diversidade sexual e de género

Eva Duarte (Sinapsis Consultório)

Daniel Cardoso (ECATI-ULHT / NOVA FCSH)

 

Abstract

A ficção científica nas suas várias vertentes - utopia, distopia e heterotopia - sempre serviu para projectar sobre o futuro as preocupações (sociais e individuais) sobre o presente. Quando o tema é apocalíptico, ainda mais certo é que as ansiedades retratadas são particularmente agudas, e particularmente mobilizadoras de atenção. Através de um olhar analítico para algumas obras e movimentos sociais ligados a representações do fim do mundo, vamos pensar como é que a diversidade sexual e de género se tornou um tópico central da ficção científica, e o que isso reflecte sobre a nossa sociedade. Depois, vamos também compreender a importância que estas obras têm, do ponto de vista clínico e subjectivo, para como cada uma e um de nós vive e pensa sobre as suas próprias experiências de diversidade sexual e de género, e como este tema, longe de ser recente, tem sido um componente da ficção científica mainstream desde há décadas.

 

Audio


 

Aula Aberta em Sociologia da Família 2017

Aula Aberta em Sociologia da Família na Universidade do Minho, a 27/4/2017.

Áudio


Poliamor numa perspectiva genderizada – Discriminação e preconceitos na voz de mulheres em não-monogamias consensuais

Daniel Cardoso (FCSH/UNL – ECATI/ULHT)

Inês Ribeiro (FCSH/UNL)

 

1º Congresso Internacional CIEG (26 de Maio de 2016), Lisboa, Portugal

Abstract

O poliamor surge nos anos 90 do século XX como uma identidade associada a um conjunto de práticas de não-monogamia consensuais. Visto numa perspectiva alargada, as pessoas poliamorosas vivem fora do “círculo encantado” aceitável que Gayle Rubin (2007) articulou. Porém, e graças à genderização por detrás do ‘duplo padrão sexual’, o género tem uma forte componente na forma como a transgressão da mono-normatividade afecta a vida das pessoas poliamorosas.

Estes impactos são variados, e cruzam tanto o questionamento das masculinidades hegemónicas e validação de posturas de maior equidade de género (Cascais & Cardoso, 2012; Sheff, 2005), como também a rearticulação de novas hegemonias, masculinidade e desequilíbrios nas relações de poder em contexto de intimidade (Sheff, 2006).

O corpus de investigação sobre as atitudes sociais face ao poliamor têm vindo a crescer nos últimos anos, e confirmam a existência de discriminação contra pessoas poliamorosas (e.g.: Grunt-Mejer & Campbell, 2015; Hutzler, Giuliano, Herselman, & Johnson, 2015; Johnson, Giuliano, Herselman, & Hutzler, 2015), inclusive por entre a comunidade LGBT (Cardoso, 2014).

O presente estudo exploratório parte de um inquérito por questionário aberto, disseminado por entre a comunidade poliamorosa portuguesa via bola de neve nas redes sociais. Apresentamos um recorte dos resultados, a partir das respostas dadas por pessoas auto-identificadas enquanto mulheres e/ou no espectro de feminilidade, sobre as suas experiências de discriminação, as suas percepções sobre as normas sociais genderizadas vigentes no que diz respeito a não-monogamias consensuais e as suas estratégias de gestão dessas experiências. A partir dos relatos dados, é possível entender que há uma intensa gestão de conflitos entre família, amizades e relacionamentos íntimos, e a percepção do sexismo como algo constante nas suas vidas. Um elemento central é a condenação do agenciamento feminino, expresso no tropo da mulher poliamorosa ludibriada, e no da mulher poliamorosa hipersexual.

Apresentação

{source}
<!-- MediaEventi "Edocs!" Plugin (v1.2) starts here -->
    <div class="edocs_viewer " >
                                <iframe 
                                    src="http://docs.google.com/gview?url=http://danielscardoso.net/images/docs/1cicieg2016.pdf&embedded=true" 
                                    style="width:100%; height:400px;" frameborder="0" class="edocs_iframe">
                                </iframe>
                                <br /><br />
                                
                            </div>
<!-- MediaEventi "Edocs" Plugin (v1.2) ends here -->


{/source}

Gravação áudio


Workshop Zotero

De 4 a 8 de Julho

15 horas (3h por dia)

Das 15h - 18h

GRÁTIS - inscrição AQUI

 

Apresentação do Curso

O software EndNote tem sido, desde há muito, o standard de utilização de gestores bibliográficos no mundo da academia. No entanto, com a progressiva aceitação do software opensource, surgiram novas possibilidades, feitas por académicos para académicos. O Center for History and New Media da Universidade George Mason (EUA) foi onde nasceu uma dessas alternativas, sob a forma do Zotero. Várias instituições de ensino superior norte-americanas já migraram oficialmente para este sistema, que combina funcionalidades clássicas de um gestor de referências bibliográficas com os recentes aspetos das redes sociais, do trabalho colaborativo e da interação entre diferentes elementos de software que são necessários ao processo de produção científica.

Este programa tem a vantagem de ser utilizável de forma independente da área científica em questão, de não restringir o utilizador a um computador específico e de precaver à partida a possibilidade de criar cópias de segurança dos dados e da sua partilha com outros colaboradores.

Objetivos

Equipar os utilizadores com uma ferramenta de gestão bibliográfica de ponta, nas suas funcionalidades elementares e avançadas, de forma a agilizar o trabalho científico a solo e em equipas. Complementar ou substituir, de forma gratuita, programas como o EndNote.

 

Link para a página oficial da Escola de Verão ECATI 2016